PUBLICIDADE
Topo

Flamengo interno e suas falhas, a maior ameaça ao Flamengo do campo em 2020

Mauro Cezar Pereira

02/01/2020 04h00

Indubitavelmente, dirigentes que integram a atual gestão do Flamengo fazem parte do grupo original que deu início a uma verdadeira revolução administrativo-financeira lá realizada. Méritos até exagerados foram para o ex-presidente, cuja chance de assumir o cargo máximo do clube caiu em seu colo semanas antes do pleito, em 2012.

Portanto, muitos dos atuais cartolas merecem elogios pela construção da estrutura econômica que viabilizou os resultados do futebol em 2019. Mas o torcedor que desconhece os bastidores rubro-negros não tem a exata noção do que acontece. Ignora que exista o que ameace a, por ele, esperada hegemonia que o Flamengo estaria construindo, a partir das conquistas da Série A e Libertadores no ano passado.

Existe uma importante ala encabeçada por Luiz Eduardo Baptista, o BAP, vice de relações externas. Com ele, Gustavo Oliveira (clique aqui e veja o momento em que ele é anunciado integrante da diretoria de Eduardo Bandeira de Mello, em 2012), há anos seu fiel escudeiro e vice de comunicação e marketing. O grupo deles defendeu Abel Braga para comandar o time, contratação feita ainda em 2018. O técnico já havia sido procurado antes da nomeação do vice de futebol na administração do presidente Rodolfo Landim.

Quando Marcos Braz foi anunciado como titular da pasta, em 8 de dezembro de 2018, Abel já havia acertado, a informação era divulgada pela imprensa há várias semanas e no dia 10 saiu o comunicado oficial. Desgastado pelo fraco futebol apresentado pelo time sob sua batuta, o treinador pediu demissão em 29 de maio, após dramática vitória sobre o Athletico, no Maracanã.

Em áudio vazado posteriormente,  teria alegado interferência da diretoria em relação à escalação do time na partida seguinte, frente ao Fortaleza, pelo Campeonato Brasileiro. Foi Braz quem o questionou, pois o time estava apenas em sexto lugar e já a seis pontos do líder, Palmeiras, isso em apenas meia dúzia de rodadas pela Série A. Abel pensava em levar reservas a campo.

"Aí quando os caras, eles não comparam o jogo com o Fortaleza com o jogo do Corinthians, terça-feira, que classifica para as quartas de final da Copa do Brasil. Ficou uma colocação a nível de imprensa de que eles não concordavam com o time que eu ia colocar. E eu não vou colocar o time que eles querem, cara. Eu vou colocar o time que eu quero", registrou o áudio vazado.

O dirigente deixou claro para o treinador que o clube tinha o objetivo de ser campeão brasileiro, ou seja, não poderia correr o risco de perder mais pontos escalando uma equipe enfraquecida. Abel desejava priorizar o mata-mata da Copa do Brasil. Sem ele, Marcelo Salles, o "Fera", comandou o time titular, que venceu no Engenhão por 2 a 0. Dias depois eliminou o Corinthians com nova vitória no Rio pelo mesmo placar de Itaquera, 1 a 0.

Braz começava ali a angariar prestígio. A ala responsável pela escolha do técnico que se demitira ia na contra-mão, apesar da grande proximidade com o presidente. A atual divisão interna já era clara naquele momento. O vice de futebol ganharia mais força ao convencer Landim de que Jorge Jesus deveria ser tentado e viajar a Lisboa para buscar o português.

Ao lado do dirigente profissional, o executivo Bruno Spindel, ele foi a Portugal. A missão da dupla era contratar o ex-treinador de Benfica e Sporting. O presidente, que anualmente vai à final da Liga dos Campeões com um grupo do qual fazem parte BAP e Gustavo, aproveitou para selar oficialmente o acordo com Jesus no encontro ocorrido em Madri, palco da decisão Liverpool x Tottenham em 2019.

Gustavo, Landim, Jesus e BAP em Madri – Reprodução

O vice de futebol sabia que todas as suas fichas estavam sendo colocadas no treinador e sua comissão técnica. Se havia resistência, não era contra Jesus, mas pelos efeitos-colaterais políticos de seu eventual sucesso. Veio Bahia 3 x 0 Flamengo, apenas o oitavo jogo do treinador. Então, diante de derrota tão acachapante, alguém achou que era boa hora para cornetar, em clara demonstração de pouco conhecimento sobre futebol, afinal era cedo demais. Assim, um grupo de WhatsApp  composto por dirigentes registrou protestos (de viés claramente político) contra a fraca atuação em Salvador.

Aos poucos, Jesus fez o time jogar, vencer, liderar o Brasileiro, avançar na Libertadores e não havia como ficar contra o português, questionar a escolha de seu nome. Ele virara o jogo, escancarava o absurdo equívoco que fora a contratação de alguém com o perfil de Abel para comandar um elenco tão qualificado tecnicamente nesse Flamengo ambicioso, desejando conquistar títulos importantes. A entrevista que concedeu ao blog em março não deixava dúvidas quanto a isso. "Flamengo é muita posse de bola, estou tentando tirar isso", disse, por exemplo.

Landim com Jesus na foto do anúncio oficial – Reprodução

Paralelamente, Marcos Braz ganhava moral com os jogadores. O grupo de atletas gosta dele, confia nele. A paciência na contratação de Filipe Luís foi outro ponto positivo para o vice, com o clube esperando a decisão do lateral-esquerdo da seleção brasileira sem pressiona-lo. E rapidamente o atleta se transformou em fundamental liderança para o elenco.

Para 2020, um ponto preocupante é a postura de setores do clube. Em determinados casos beira a arrogância de quem acredita que, com dinheiro, tudo é possível e vitórias são certas. Na prática não é assim. A péssima escolha do treinador que iniciou a temporada 2019 deixa isso muito evidente. Seu estilo não combinava com nada ali, o fracasso era óbvio como o de Muricy Ramalho, já em claro declínio, que Eduardo Bandeira de Mello contratou no início de seu segundo mandato, em 2016.

Rumos foram alterados por iniciativa de outra corrente política, mas não apagaram o crasso erro. Sem o treinador português, muito provavelmente nada de positivo teria acontecido, mesmo com tanto dinheiro (investido) em ótimos jogadores. Mas o sucesso no campo de futebol gera reações típicas de quem sente-se mais poderoso com os resultados, mesmo que não seja por eles o maior responsável.

Vale lembrar que o Flamengo tem um Conselho Gestor no Futebol, o conhecido "Conselhinho". Dele fazem parte, além do VP de futebol, Marcos Braz, e do vice de relações externas, BAP, três conselheiros que integram alas políticas que deram apoio à candidatura Landim: Dekko Roisman, Diogo Lemos e Fábio Palmer, respectivamente dos grupos FlaFut, Sinergia e Ideologia.

O intuito sempre foi o de evitar a concentração do poder de decisão em uma pessoa, como de certa forma acontecia com Rodrigo Caetano, diretor executivo na gestão Bandeira de Mello. Obviamente nem todos no Flamengo sorriem para o aumento de importância e visibilidade de Braz, ocorrido em 2019.

Arte publicada em redes sociais do Flamengo: "Papai Noel" com camisa não oficial e monograma do lado errado

Se o vice de futebol ficou mais forte, o de comunicação e marketing é muito criticado. Interna e externamente, pelo fraco trabalho nas redes sociais e modestos acordos comerciais. Dos R$ 101,95 milhões de 2018 no item "Receita/patrocínio/publicidade/royalties", o faturamento caiu para R$ 89,35 milhões, menos 12,4%. Se a economia do país não vai bem, o futebol teve seu melhor momento em décadas. O resultado de 2019 deixa a desejar.

Nesse contexto, o patrocinador máster, Banco BS2, paga apenas R$ 15 milhões/ano, mais valor variável de acordo com o número de contas digitais abertas a partir dessa parceria. Ou seja, o clube de maior torcida do país fica na dependência do engajamento, da geração de novos clientes para que ganhe algo compatível com o espaço mais nobre em seu uniforme. Por essas e outras há dirigentes exigindo, cobrando aprimoramento profissional dos dois setores específicos, entende-se que são subaproveitados.

O cenário não é pior devido ao trabalho competente de alguns profissionais na comunicação do clube, desvinculada das trapalhadas nas redes sociais. Elas vão de artes amadoras à confusão entre Adílio e Andrade, históricos ídolos rubro-negros. Não por acaso, há quem reclamasse do antecessor, Antônio Tabet, por seu estilo, e hoje lamente a troca. Números de crescimento em redes sociais são apresentados quando há questionamentos, mas eles vêm no trilho do trabalho feito na gestão anterior, e graças ao sucesso do time, obviamente. Absurdo atribui-los ao que vem sendo feito desde janeiro de 2019.

Print da arte com foto, menor, de Adílio nos parabéns a Andrade, depois corrigida – Reprodução Twitter

Quando a Fla TV, o canal do Flamengo no Youtube, publicou vídeo de perguntas ao então novo treinador, Jorge Jesus, um erro de ortografia chamou a atenção: "Ansioso para estreiar?". A empresa contratada para cuidar dessas ações, a X-Tudo, logo ficou famosa entre os torcedores, da pior maneira possível. As falhas chegaram ao ponto de expor um jogador. Pablo Marí apareceu sem roupa, secando-se com uma toalha, em vídeo compartilhado pela Fla TV com bastidores após os 4 a 1 sobre o Corinthians.

Erro ortográfico em vídeo: mais uma gafe cometida nas redes sociais do Flamengo em 2019

No ano em que o Flamengo alcançou repercussão internacional pelas campanhas do futebol em campo, os perfis oficiais em inglês e espanhol fecharam dezembro sem atualização desde 2 de maio. "Tickets for Flamengo x Chapecoense on sale now", tuitou o perfil em inglês, 243 dias antes de 2019 acabar. Em seu idioma, o espanhol fez o mesmo, "Entradas para Flamengo x Chapecoense a la venta". Inacreditavelmente foram abandonados justamente quando o time fez despertar maior interesse pelo clube no exterior.

Perfis oficiais em inglês e espanhol fecharam 2012 sem atualização desde 2 de maio – Reprodução

Como se as coisas corressem perfeitamente no setor, recentemente o vice de comunicação se reuniu com a direção de uma empresa jornalística. Na conversa, sugeriu que o Flamengo deveria ter participação futura nos pôsteres publicados quando o time ganha um título, embora não sejam comercializados, apenas encartados com o jornal. Um estilo que lembra propostas de Mário Celso Petraglia, presidente do Conselho Deliberativo do Athletico

Um raciocínio raso marca esse tipo de postura. Ignoram que a imprensa divulga, jornalística e, consequentemente, gratuitamente, todos os jogos do time, por exemplo. Como os torcedores saberiam onde e quando a equipe jogará se não existisse a cobertura da mídia? É fácil saber dia, local e horário de cada compromisso do time profissional, as pessoas são informadas de diferentes maneiras, ao contrário do que ocorre, por exemplo, com os times da segunda divisão do Rio de Janeiro.

Sem o trabalho da imprensa, patrocinadores não teriam o mesmo interesse em anunciar no uniforme ou no painel utilizado em entrevistas, pois não haveria  exposição alguma. E os clubes teriam que investir milhões de reais em divulgação das partidas do time, como fazem os organizadores de shows musicais, inclusive os que ocorrem nos mesmos palcos, os estádios de futebol.

Com a crise dos jornais impressos, convenhamos, não é com esse tipo de proposta que o marketing alavancará receitas, até por inexistência. E esse dinheiro novo poderá ser vital para que sejam alcançadas as metas de 2020, principalmente caso o time não vá longe nos mata-mata e jogadores não sejam bem vendidos, como em tempos recentes.

Pontos a preocupar o torcedor atento, da fogueira das vaidades, sempre a arder, ao risco de novos erros, como o da escolha do primeiro treinador da gestão (o contrato de Jorge Jesus termina em maio e não há, até agora, certeza de que será prorrogado). Posturas como a que se sugere quanto às relações com a imprensa podem ser somadas à polêmica sobre a premiação de funcionários do departamento de futebol em meio à disputa do Mundial de Clubes da Fifa. Os bônus elevados fizeram a direção frear o pagamento, causando enorme incômodo no dia de Flamengo x Liverpool!

Pior: a vice-presidência de comunicação até hoje não consegue fazer com que o Flamengo vá a público e explique, da maneira mais clara possível, qual a posição do clube quanto ao mais delicado dos temas: a indenização às famílias dos 10 meninos mortos no CT. O incêndio completará 11 meses no dia 8. Tempo para se comunicar houve. Falta interesse ou capacidade?

Embora em campo o segundo semestre tenha beirado a perfeição, nem tudo corre às mil maravilhas no campeão brasileiro e da Libertadores. As entranhas do Flamengo são a maior ameaça ao futebol do Flamengo para 2020.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.