PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Clube algum é obrigado a vender direitos de transmissão à Globo

Mauro Cezar Pereira

18/01/2020 07h54

Há décadas a Globo, que de tempos para cá adotou a palavra "grupo" para se referir ao conglomerado de comunicação da família Marinho; transmite tudo no futebol brasileiro. Concorrentes tentaram tirar dela tal condição, em geral sem sucesso.

Exceções foram a Fox Sports com a Libertadores, que obviamente inclui times do país, mas que ainda assim repassa jogos aos canais globais, e Turner, com alguns clubes que mostra em TV fechada. Fora isso, de Estaduais a Série A, passando pela Copa do Brasil, é tudo da Globo.

O domínio do mercado é tão grande que as tentativas de concorrentes, como a Record, morreram com a maioria dos clubes até temendo se afastar da emissora com a qual se relacionam há tanto tempo. É assim as coisas acontecem (aconteciam?!).

O Athletico já se negou a vender direitos de transmissão. O Palmeiras fechou acordo em 2019 já com o campeonato brasileiro em andamento. Agora é o Flamengo. A partida desde sábado contra o Macaé, pelo Estadual, não será exibida por nenhuma TV. Vozes ecoam por aí criticando o campeão brasileiro e da Libertadores.

Estaria pedindo dinheiro demais, se considerando muito superior a outros clubes etc. Soberba? Talvez. Mas é direito do Flamengo, do Atlhetico, de qualquer clube vender pelo valor que achar melhor.

Quando os preços dos campeonatos francês e italiano dispararam, motivados pelas presenças de Neymar e Cristiano Ronaldo, respectivamente, nenhuma emissora de televisão do país adquiriu tais certames. Hoje ambos estão no streaming, pela DAZN. Então não mostrem os jogos do Flamengo, já que não valem o que os rubro-negros pedem.

Já na Libertadores partidas foram exibidas com exclusividade pelo Facebook. Os tempos são outros, a tendência é de mudanças, no mundo inteiro. O Flamengo está "se achando"? Pode ser que sim. Mas essa é uma questão menor.

Nunca achei justa a demonização da Globo pelos horários impostos aos jogos noturnos, por exemplo. E é simples a razão: ela sempre pagou pelos direitos de transmissão. E pagou muito bem nos últimos anos.

Por que a Globo, como as demais TVs, não transmite os jogos da segunda divisão do Carioca? Obviamente por não lhe interessar. Se o Flamengo entrar em campo com um time ruim e rebaixado no futuro, ela pode oferecer menos, como o Cruzeiro terá drástica redução em sua quota durante sua participação na Série B.

Se os clubes, ao venderem, permitem que a emissora interfira de tal forma em horários etc, eles são responsáveis. Se não querem negociar pelos valores oferecidos, estão apenas exercendo o próprio direito. Apesar dos lobbies…

‪Palmeiras e Athletico já endureceram negociações de direitos de TV. Justamente clubes com saúde financeira. Como o Flamengo. Negociar com quem está de pires na mão é mais fácil, claro.‬ E se alguém estiver interessado em defender os direitos do torcedor, que tal sugerir partidas do Flamengo ao vivo na TV pública? Sem fins comerciais. Até que o imbróglio se resolva.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Mauro Cezar Pereira