PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Má notícia para quem espera que o Fair Play Financeiro segure quem contrata

Mauro Cezar Pereira

16/01/2020 06h54

Muitos torcem pela chegada do fair play financeiro ao futebol brasileiro para frear as contratações do Flamengo. Há algum tempo o alvo de tais anseios era o Palmeiras. Diante da imensa confusão feita por vários torcedores, o blog entrou em contato com uma autoridade no assunto: César Grafietti, consultor que lidera a equipe responsável pelas análises dos balanços dos clubes feita pelo Itaú BBA.

Ele elabora, para a CBF, o projeto que deverá implementar no Brasil essa forma de controle das finanças dos clubes de futebol. E a notícia não é boa para esses torcedores que, ao invés de cobrar responsabilidade administrativa dos dirigentes de seus clubes, passam os dias sonhando com uma canetada que detenha a evolução das agremiações que trabalharam para isso. Com a palavra, César Grafietti:

Europeus convivem há anos com o FairPlay Financeiro


"Para os clubes que têm mais lastro com relação à saúde financeira, como Flamengo, Palmeiras, Grêmio e Bahia, será melhor ter o fair play financeiro. Naturalmente eles podem gastar o que gastam. Já os que gastam muito e vivem endividados teriam que reduzir custos, elenco, investimento.

O conceito do fair play financeiro é justamente o do equilíbrio individual de cada clube. Não o coletivo com todos equilibrados, mas sim com cada um dentro das suas contas. Nasceu com a ideia de que precisam ser saudáveis, parar de atrasar salários, impostos e pagamentos a outros clubes. E a forma de evitar isso é gastando apenas aquilo que arrecadam.

O modelo europeu impõe limites para prejuízos, os clubes não podem acumula-los, a folha salarial não pode passar dos 70% das receitas, há limites de endividamento, uma série de regras que buscam garantir saúde financeira e estabilidade.

Pensando num modelo brasileiro, os que tiverem déficit, gastos superiores ao que arrecadam e muitas dívidas certamente terão maiores dificuldades para respeitar as regras do fair play financeiro. Um modelo como esse fará com que os que hoje mais arrecadam e mantêm as contas em dia sejam beneficiados, pois seguirão com capacidade para fazer investimentos e pagar salários.

Já os que têm déficits e dívidas elevadas terão que passar um tempo se adequando até que apresentem uma condição diferente de competição. O importante é evitar os constantes atrasos de todos os tipos, que frequentemente se vê no futebol brasileiro. É o que há por trás de um modelo de fair play financeiro, que existe na Europa e em breve chegará ao Brasil".

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Mauro Cezar Pereira