PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Só se fala em dinheiro: morte de garotos do Ninho virou munição de biltres

Mauro Cezar Pereira

13/01/2020 04h00

Grupo dê torcedores do Flamengo criou a campanha e a # "Não esquecemos", para cobrar uma solução

Todo dia 8 meu celular dispara um lembrete. E lá vou eu tuitar que mais um mês se passou desde o incêndio que matou dez meninos das divisões de base do Flamengo. Que o clube segue sem vir a público atualizar torcida e opinião pública, informar clara e detalhadamente sobre o acordo com as famílias, a maioria ainda no impasse. E que a justiça até hoje não apontou responsável(eis) pelo que aconteceu no Ninho do Urubu.

Com certa frequência, questiono os dirigentes, no último dia 8 o fiz mais uma vez. Sigo esperando respostas mais objetivas, humanas e menos "técnicas". A morte dos garotos foi a página mais aterrorizante da história do futebol brasileiro, não somente do Flamengo. Nenhum título compensará, obviamente, aquela dor. Foi absurdo, inaceitável, indesculpável.

Reprodução: Twitter

Claro que o Flamengo deveria se empenhar mais em resolver o imbróglio da indenização de seis famílias e meia das 10. Também é fato que representantes dessas pessoas talvez pudessem ser mais razoáveis numa negociação, tanto que três famílias e meia se acertarem com o clube. Nos bastidores, comenta-se que a proposta de acordo é muito maior do que a chamada jurisprudência. Será que ao esticar a corda, pedindo, eventualmente, muito mais, advogados não correm o risco de levar os familiares a, na justiça, esperar por anos e receber até menos? O tema é muito delicado e abordá-lo extremamente difícil ante a estupidez de tantos a nos cercar.

Mas é evidente que os dirigentes do Flamengo têm que fazer mais para darem um jeito nisso. Essas famílias devem ser amparadas. Também é óbvio que os atuais comandantes do clube lá chegaram pouco mais de um mês antes do acontecido. É leviano pura e simplesmente aponta-los como responsáveis pelo incêndio, cabe à investigação decifrar quem merece o rótulo. Mas são, sim, os encarregados de eliminar o que está ao alcance deles: o impasse financeiro, a indenização. Obviamente as cifras não seriam impossíveis para o Flamengo, longe disso. Então, senhores, resolvam!

Muitas pessoas cobram um ponto final nisso, rubro-negros especialmente. Uma contratação certamente não os deixaria tão satisfeitos quanto o acordo com todos os familiares. Contudo, pouco se fala em justiça. Parece que a situação se resume a dinheiro. Ele é importante para as famílias dos meninos, mas existe uma questão que deveria ser lembrada mais vezes e por mais pessoas: onde estão e quem são os responsáveis?

Paralelamente, nas redes sociais, verdadeiros vermes virtuais, mórbidos, covardes, insignificantes, se aproveitam da tragédia para tripudiar em risíveis discussões clubistas. Como se torcedores do Flamengo e jornalistas (especialmente os que são rubro-negros, como eu) concordassem com o impasse que se aproxima de um ano. Como se não fossem feitas matérias e cobranças frequentes desde o maldito 8 de fevereiro de 2019. Um grupo de torcedores do Flamengo criou a campanha e a # "Não esquecemos", para cobrar uma solução. Só alguns fanáticos clubistas rasos minimizam a situação.

Há mais de 30 anos ingleses pedem justiça para os 96 mortos de Hillsborough

E eles eram meninos, adolescentes, praticamente crianças. Quem quer clamar prioritariamente por justiça, como torcedores do Liverpool fazem há mais de 30 anos pela tragédia de Hillsborough? Então se o clube finalmente indenizar os familiares estará tudo resolvido? Ou esses desprezíveis seres da internet buscarão outra arma mórbida? Não, eles não estão preocupados com as famílias, querem apenas usar a tragédia e sua dor como munição em discussões ridículas sobre futebol. Biltres!

Quase um ano depois, o incêndio do Ninho do Urubu é mais do que uma tragédia que jamais cicatrizará. Ela também escancara o quão desprezível o ser humano consegue ser. E como o dinheiro parece valer mais do que a vida. Não só para quem não paga, mas também para os que usam as mortes dos garotos para atacar quem não é responsável pela tragédia. E tudo isso com fins minúsculos, como esses elementos são.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Blog do Mauro Cezar