Topo

Histórico

Categorias

Brasil vence adversário sob medida, mas Tite ainda precisa buscar soluções

Mauro Cezar Pereira

19/11/2019 12h44

Philippe Coutinho, de falta, fez o segundo gol – Foto: Divulgação/Lucas Figueiredo/CBF

Os amistosos da seleção brasileira são algo como uma formalidade. Acertados pela empresa encarregada de agenda-los, colocam o time para viajar, percorrer longas distâncias. Insossos, muitas vezes em estádios vazios, anti-clímax total. Para que?

Em Brasil 3 x 0 Coreia do Sul, vimos uma vitória protocolar contra um oponente inferior, embora como claros sinais de organização. Os sul-coreanos saiam jogando com bola de pé em pé, mas eram inofensivos na maior parte do tempo. E o Brasil mal explorava.

Tite fez mudanças e deu algumas oportunidades a jogadores que nem sempre começam jogando. Éder Militão, Renan Lodi e Fabinho começaram o amistoso com a Coreia do Sul. O lateral-esquerdo do Atlético de Madrid é a boa notícia pensando no futuro.

Não por acaso as melhores jogadas se desenvolviam por seu lado, com a boa participação de Philippe Coutinho. Como na jogada dos dois que resultou na abertura do placar em cabeçada de Paquetá, então mais um atacante do que meia.

Mas a Coreia do Sul tem um time frágil e com o tempo passando e o cansaço as coisas ficavam mais fáceis para o Brasil. O terceiro gol deixaria isso claro, com boa troca de passes ante a passividade asiática. Danilo chutou para ampliar e o goleiro Cho falhou, com a chamada "mão de alface".

Jogo resolvido, Richarlison e Gabriel Jesus sempre mal na partida e o marasmo até o apito final ainda foi interrompido por tentativas sul-coreanas de chegar ao gol. Foram 11 finalizações asiáticas contra 12 do Brasil segundo as estatísticas do SofaScore, cinco arremates certos para cada equipe.

Tite fica aliviado após a seleção voltar a vencer depois de cinco jogos com três empates e duas derrotas, a última delas para a Argentina sendo amplamente superado. O técnico ganha fôlego, mas o amistoso que fecha 2019 não aponta soluções claras para seus problemas em 2020.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Blog do Mauro Cezar