Topo

Histórico

Categorias

Fla 4 x 4 Vasco mostra que é possível ter futebol com coragem no Brasil

Mauro Cezar Pereira

14/11/2019 01h08

O gol a 38 segundos de partida deu a falsa sensação de que seria fácil para o líder do Campeonato Brasileiro. Everton Ribeiro abriu o placar após fulminante arrancada de Reinier, ganhando na bola e no corpo dos adversários. Mas, em vantagem, o Flamengo se acomodou. Recuou, chamou o Vasco para seu campo e, pouco a pouco, o time de São Januário passou a rondar a área.

Pikachu na lateral-direita, avançado em cima de Filipe Luís, Henríquez e Ricardo na zaga com Danilo Barcelos completando a linha defensiva. Richard como volante, Guarín ao lado saindo mais, Marcos Júnior próximo do lateral-esquerdo, fechando o lado e Marrony à sua frente, com Raul pela direita, avançado, perto de Rossi, o mais adiantado. Era a distribuição vascaína.

A postura da equipe de Vanderlei Luxemburgo fechava caminhos para o adversário e, mesmo em desvantagem, sua equipe ia à frente, teve coragem. A cabeçada de Marrony, logo aos seis minutos, defendida por Diego Alves, foi o sinal de que não ficaria mais atrás, como de hábito neste certame, esperando a chance para contra-atacar. O time subiu e buscou o gol.

O empate viria com o tento marcado pelo mesmo jogador aos 33, para dois minutos depois ter o pênalti em Pikachu que ele mesmo bateu para colocar sua equipe em vantagem. Era justo. O Flamengo atuava mal, desconcentrado e falhando demais em sua retaguarda, erros individuais e coletivos que seu motivado rival soube aproveitar.

O empate rubro-negro no cruzamento rasteiro de Rafinha que Danilo Barcelos desviou igualou o placar antes do intervalo. Injusto. O Vasco merecia sair em vantagem ao final do primeiro tempo, diante de um adversário bem abaixo do seu rendimento habitual. Foi o pior primeiro tempo do Flamengo em muitas partidas e os 2 a 2 eram um belo lucro para o time de Jorge Jesus.

Os erros defensivos persistiram, e pioraram no segundo tempo, o que ficou evidente no terceiro tento, de Marcos Júnior, com falha de Rafinha, perdido na jogada. Era, ainda, um time concentradíssimo e outro inexplicavelmente relaxado. Os 3 a 2 eram, novamente, mais justos pelo que se via até ali.

O pecado do Vasco foi não conseguir reunir a ousadia ofensiva à segurança defensiva. E se a retaguarda rubro-negra ia mal, o ataque não estava abaixo, especialmente Bruno Henrique, um jogador que cresce incrivelmente nesse tipo de peleja. O jogo, animado, com muitos erros e emoção, mostrou que o Flamengo também joga mal e que o Vasco pode fazer bem mais do que lutar contra o rebaixamento. Sim, é possível ter futebol com coragem no Brasil.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Blog do Mauro Cezar