Topo
Blog do Mauro Cezar

Blog do Mauro Cezar

Categorias

Histórico

Longe, Brasil, preguiçoso, joga mal, não vence. E isso vai na conta de Tite

Mauro Cezar Pereira

13/10/2019 12h33

Daniel Alves contra a Nigéria: lateral fez dois jogos inteiros – Foto: Divulgação/Lucas Figueiredo/CBF

Tite chegou à seleção brasileira em 2016. Estava em alta, e como! O então presidente da CBF até lhe aplicou um beijo na face enquanto o presenteava com uma camisa da seleção brasileira levando o nome da mãe do técnico, Dona Ivone Bacchi. O que colocasse como condição dificilmente seria recusado pelos cebeefianos, com a corda no pescoço enquanto, nas eliminatórias, Dunga sequer conseguia colocar o time canarinho na zona de classificação para a Copa do Mundo de 2018.

O treinador do Corinthians era necessário, a solução. E foi. Conduziu o Brasil ao Mundial com sobras, mas não correspondeu em gramados russos, perdendo prestígio, mas não o emprego. Nessa segunda chance, Tite vem mal, sua equipe não rende e a postura de vários jogadores é protocolar. Os atletas não são desafiados esportivamente, nitidamente cumprem uma obrigação e a motivação especial se restringe aos que buscam aproveitar as primeiras chances entre os convocados.

Embora não tenha mais a força de três anos atrás, o técnico mantém o prestígio, o mercado. Poderia, e deveria, ser a voz contra a realização de amistosos em locais sem sentido, como as pelejas em Cingapura diante de Senegal e Nigéria. Atuações fracas de atletas desestimulados, que viajam mais de 48 horas entre ida e volta, quando poderiam jogar em solo nacional ou até mesmo africano. Seriam partidas com maior motivação, em ambiente mais adequado, parecidos com jogos de verdade.

Quando a CBF e seus parceiros levam os jogadores de Tite para o outro lado do planeta, o treinador perde tempo. Tempo que poderia dedicar aos treinamentos e à convivência com os convocados para esses amistosos, que fazem jus ao rótulo. A postura, também amistosa, de Tite, que não se queixa, que não reivindica, pode se voltar contra ele. Por que indo a campo com tamanha preguiça e sem ajustes necessários, a seleção joga mal, não vence e tudo isso vai na conta do treinador. Não nas dos dirigentes.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Blog do Mauro Cezar