Topo
Blog do Mauro Cezar

Blog do Mauro Cezar

Categorias

Histórico

Roger Machado explica sucesso no Bahia e lembra encontro com Marcelo Bielsa

Mauro Cezar Pereira

17/08/2019 04h00

Roger Machado deixou o Palmeiras após uma derrota para o Fluminense, no Rio de Janeiro, logo depois da Copa do Mundo da Rússia. A má fase do time no Campeonato Brasileiro o derrubou, apesar da melhor campanha registrada pela equipe na fase de grupos da Copa Libertadores 2018. Em abril, ele reapareceu no mercado ao substituir Enderson Moreira no Bahia. Eliminou o São Paulo na Copa do Brasil, com duas vitórias, e pela Série A derrotou Corinthians, Grêmio, Fluminense e Flamengo. No domingo passado o tricolor baiano arrancou um empate contra seu ex-time, comandado há um ano por Luiz Felipe Scolari, em pleno estádio palmeirense. O treinador, que despontou no comando técnico gremista em 2015, conversou com o blog.

Roger Machado: no comando do Bahia desde o começo de abril com jogo reativo – Foto: Divulgação/ECB

Desde o Grêmio você é reconhecido como um técnico que monta equipes de posse de bola, como fez do Bahia um time chamado reativo?
É uma reflexão que sempre tive, a questão de gostar da bola, sempre atacando o adversário, as pessoas vêem como uma atitude muito corajosa. Mas como defensor que fui, sei bem como eu sofria com a bola perto do meu gol. Então, quando virei treinador, tudo que eu queria e fazer com que ela ficasse longo do meu gol e constranger o adversário pela posse. Mas eu tenho que lidar com a característica do material humano que tenho à disposição.

E como ter a bola?
Muitos atribuem posse apenas à qualidade do jogador, acredito que essa é uma questão, mas tudo depende de estar bem posicionado em campo, não só a técnica e a habilidade do jogador retêm a bola. É preciso ter jogadores posicionados para recebê-la, e na medida que por vezes não temos a bola, podemos constranger o adversário de outra forma. Podemos ser mais eficientes com 40% de posse e chegando cinco, seis, sete vezes ao gol adversário e finalizando mais. Essa reflexão sempre tive na minha cabeça, e ao chegar no Bahia, ao verificar as características, com cinco homens de meio com bom poder de marcação e com boa saída, além de quatro a cinco boas alternativas de velocidade pelo lado do campo, notei que tinha como iniciar o jogo e atacar pelos lados. Então a reflexão é mais pelo material humano do que muito mais pelo desejo pessoal.

Mas você, como ex-jogador de defesa, teve que voltar a conviver com o adversário perto de sua área…
Tive que me adaptar quanto ao meu ímpeto de quando jogador por me incomodar com a bola perto de meu gol. Então foi mais uma adaptação ao elenco que temos e as características dos jogadores, além do número de atletas que tenho no elenco para colocar em prática e manter esse tipo de estratégia.

Você foi anunciado técnico do Bahia no mesmo dia da posse de Cuca como treinador do São Paulo, 2 de abril. E no confronto pela Copa do Brasil seu time estava mais preparado…
Contra o São Paulo sabíamos que era a chance de aproveitar a transição entre (Wagner) Mancini e Cuca. Procuramos nos aproveitar. Quando o trabalho do Cuca estiver consolidado o São Paulo vai crescer novamente, porque essa troca de modelo, de um treinador para outro, exige um momento de adaptação.

Mas até que o time do Bahia foi ajeitado rapidamente, não?
Aproveitei muito da estrutura que o Enderson (Moreira, técnico anterior) deixou para mim. Pude prestar atenção em outros detalhes no ponto de vista tático e coletivo porque tinha uma base bem montada. A transformação que fiz no Bahia não foi tão profunda, temos mais semelhanças do que diferenças na formatação tática da equipe. Isso facilitou meu trabalho.

O elenco do Bahia o surpreendeu?
Sem dúvida nenhuma. O fato de haver uma troca de comando gera uma chance de um ambiente com auto-estima baixa, desconfiança… Mas encontrei clima saudável e de muita cooperação e competitividade. Há muita competição interna no grupo e isso eleva o nível dos treinos. Quando se consegue isso, é possível levar esse nível para o jogo. O que encontramos aqui foi muito positivo, o nível de consciência do momento que o clube está, pois trata-se do resgate de um clube grande, e a possibilidade de continuar e construir juntos um caminho.

Quais jogadores o surpreenderam positivamente?
Quando fechei com o Bahia olhei o elenco e vi que o Arturzinho estava aqui. Comigo, no Palmeiras, ano passado ele fez uma cirurgia, mas sempre falei que gostaria de utilizá-lo em algum momento. Então, chegando aqui, fui conversar com ele e questionei porque não estava sendo escalado. E disse que gostaria de colocá-lo no time mais que precisaria que fosse novamente o jogador que no Palmeiras gerou grande expectativa. Em seguida, uma casualidade, o Élber se machucou e pensei em colocá-lo. Hoje é um dos principais jogadores nossos, com força e velocidade, dá muita assistência, tem um bom casamento com o Gilberto, voltou a ser aquele Artur do Londrina.

E o que diz para que faça em campo?
Tenho cobrado para que não fuja da perna direita, mesmo canhoto, para não se tornar previsível. Explico para ele que o marcador vai dar sempre o fundo (do campo) por que, pela direita, ele vai tentar fugir para puxar a bola para a perna esquerda. A meta é até o final do ano tornar a direita pelo menos razoável. Contra o Flamengo deu uma assistência de direita, nos treinamentos trabalhamos cinco cruzamentos, bem rápido, cinco finalizações, tudo para não evitar a perna direita. Às vezes o atleta não pensa a longo prazo, mas fazemos dez bolas por treino, não precisa mais. Se forem cinco dias de treino na semana serão 50 bolas, em um mês pelo menos 200, ao final do ano temos um número grande de repetição daquele gesto técnico e, naturalmente, o jogador vai evoluir. Isso sinto muito no futebol brasileiro, estamos montando boas equipes do ponto de vista coletivo, mas a tática individual tem sido esquecida. A abordagem errada de um zagueiro com posicionamento de corpo errado, a escolha ruim na finalização de um atacante, tudo isso pode pesar. Sou muito atento a isso, o volante que recebe a bola de frente para o seu gol não pode fazer o giro sem saber o que acontece às suas costas.

Roger Machado com os jogadores: velocidade e objetividade no Bahia, estilo diferente – Foto: Divulgação/ECB

Você acha que vivemos um momento quanto a discussões sobre qualidade na saída de bola e menos chutões?
Teve uma época em que os bons a gente colocava para a frente na pelada. Hoje os bons colocamos para trás e no futebol profissional também, pela facilidade maior de pressionar no campo de ataque. Estamos utilizando jogadores com mais recursos atrás, mas é preciso estar bem posicionado, não depende somente da qualidade individual dos jogadores. Às vezes erros acontecem por causa de falta de apoio, o zagueiro deixa de dar o passe certo porque não houve opção, nunca é somente por erro técnico individual. Há casos nos quais começa lá na frente. Para fazer o jogo de posse, não basta ter jogadores que retêm a bola.

E como treinar?
A forma circular pela manutenção de posse, aquele bobinho do treino passa pela ideia do bobinho. O jogo, da maneira que circula, de lado a lado e como é toque curto você consegue atravessar a bola de um lado para o outro. Toda vez que se monta a figura circular com três homens por dentro, e você tem muito mais chance de manter a posse de bola. Quando ele perde a conexão, ao dar um passe apertado se corre risco de perder a bola. Minha reflexão sobre sair jogando é muito mais coletiva do que presa à coragem de sair jogando lá de trás. Eu não tinha coragem de sair jogando assim, hoje quando meu zagueiro dá um chutão lã de trás, não cobro dele, mas dos que não lhe deram opção para ele passar a bola.

O Fluminense joga assim e quando dá errado a repercussão é maior, por quê?
Sou fã do (Fernando) Diniz mas confesso que não tenho a coragem que ele tem, para usar, inclusive, o goleiro nessa linha de passe, como mais um para girar a bola nessa forma circular. O adversário dificilmente colocará mais do que seis homens no seu campo, então você pode ter 11 contra esses seis, com a participação do goleiro. Vou citar o exemplo da expulsão do Gregori contra o Palmeiras. Não posso tirar a confiança do Lucas (Fonseca) de sair jogando, mas ao mesmo tempo tenho que cobrá-lo. Porque nesse tipo de passe em diagonal do centro, vindo da lateral do campo, se o jogador rouba a bola eu dificilmente consigo consertar o erro que cometi.

Como deve sair esse passe?
Com uma reflexão. Ele vai me dar uma vantagem sobre o adversário, mas qual o risco se eu o fizer de forma perigosa? Quando o atleta percebe esses dois pontos, não há problema em sair lá de trás. E essa é a raiz do jogo brasileiro: posse e drible. Eu não quero fazer um futebol moderno, quero voltar para trás, fazer o que a gente sempre fez. Nossos centroavantes eram bons com os pés e com a cabeça, e não tinham 1,90 metro de altura. Nossos camisas 5 sabiam marcar e dar passes, os zagueiros não davam só chutão. Joguei com Mauro Galvão, que não tinha 1,80 metro, era magrinho e técnico. Em determinado momento passamos a fazer um jogo mais pragmático do que artístico. Quando tenho a oportunidade de conversar a respeito disso, sempre digo que admito o trabalho do Diniz. Sou um pouco mais conservador em alguns aspectos, mas pensando dessa forma.

O futebol praticado no Brasil está atrasado em relação aos vizinhos?
Nossa escola de futebol emprestou tecnologia para o mundo inteiro por meio de seus treinadores e exportando muitos talentos, matéria-prima. Porém, durante um período, por não conseguir sobrepor a virtude do nosso jogador, cuja virtude é passar com a bola pelo outro homem, o europeu percebeu que não consegue duelar com o sul-americano dessa forma. O jogo de futebol é praticado sob ótica de quatro elementos: bola, homem, espaço e tempo. Na referência do futebol brasileiro com a ideia de passar pelo homem. A referência do nosso jogo é o homem que está com a bola, então o europeu inverteu essa ordem de fatores. Embora pareça pequena, essa diferença transformou e deu condições de igualdade, colocando o espaço à frente do homem, pois entendeu que o jogador habilidoso sem espaço e com a bola não tem muito o que fazer.

Na prática o que se alterou para que vai ao ataque com habilidade?
Antes o jogador brasileiro driblava o primeiro oponente e quando a cobertura vinha já chegava em desequilíbrio. E aí é mais fácil ser driblado. E ele driblava novamente, então surgia um clarão para municiar o colega. Hoje, quando ele dribla o oponente, a cobertura está parada naquele espaço. Quando dizem que os jogadores brasileiros não driblam mais, não é verdade, eles não tem o mesmo espaço e os time sulamericanos usam muito isso contra os times brasileiros. Para bloquear as virtudes dos nossos jogadores. Os adversários encontraram uma forma de sobrepor nosso talento e talvez estejamos demorando a encontrar essas soluções.

O Brasil está em ascensão no aspecto técnico tático?
Sim, e louvo muito a chegada de profissionais estrangeiros ao Brasil, não para ensinar os brasileiros, mas para dividir e compartilhar conhecimento. Muitas vezes é preciso que venham profissionais de fora para que as pessoas aceitam o que é diferente. E essa diversidade é a razão dessa mudança. Resta ao futebol brasileiro organização dos clubes para que se torne a liga mais importante do mundo e todo esse intercâmbio é saudável, vejo em franca evolução. Não só porque é estrangeiro que é bom, nem tudo que envelhece é ultrapassado, tampouco tudo que é novo é moderno. Essa é a reflexão que precisamos ter. Conheço profissionais da minha geração com dificuldades porque não permitiram estar abertos a inovações.

Quem seria um bom exemplo?
Tenho maior prazer de citar o Paulo Autuori, que apos quatro décadas é um profissional extremamente atualizado, pois se permitiu ter a cabeça aberta e livres para a troca de informações. Trabalho com Paulo Paixão, um cara de Copas do Mundo com quase 70 anos de idade e que senta para me ouvir, mantém a motivação em aprender.

Vencer como o Bahia venceu o Flamengo comandado por um europeu, Jorge Jesus, foi resultado de uma estratégia para explorar o estilo do português?
Essa é uma questão bem importante, os espaços no campo não diminuíram, eles estão em algum lugar. Naturalmente, com o encurtamento do campo, o entorno da bola ficou reduzido, mas o espaço está em outro lugar. A tentativa de encurtar o campo e usar a regra do impedimento a seu favor é para dificultar o adversário. Essa é outra evolução que o futebol brasileiro está apresentando. De nada serviria adiantar meu time sem pressionar a bola. E pressão na bola pelo jogador de frente é necessária. Tem que haver constante pressão, não apenas cercar. Isso os jogadores de frente do futebol brasileiro estão se adaptando a fazer, de maneira que o zagueiros sintam-se seguros para jogar no campo encurtado. Joguei de zagueiro, se eu sinto que a bola não esta pressionada, naturalmente vou andar para trás, proteger meu gol.

E contra o Flamengo?
Apenas o primeiro gol foi com a linha alta deles, os dois outros saíram transição de bola parada do Flamengo. É defender bem para atacar melhor. De fato, a estratégia para aquela semana foi de muito ataque à profundidade do campo. São feitos trabalhos na semana muito parecidos. Gosto de usar a memória de curto prazo do jogador, com a estratégia de cada adversário. A do Flamengo foi atacar essa profundidade, independente da linha alta ou não, pois sabíamos que o Flamengo tentaria manter a posse.

Roger com Marcelo Bielsa: visita surpresa – Foto: Divulgação/GFBPA

O que acha dos técnicos estrangeiros no Brasil?
Com Jorge Jesus tentei uma aproximação anos atrás, por meio o Valdo (ex-jogador), quando ele era treinador do Benfica. Me atraía essa ideia de jogar no campo adversário, linha alta, deixando goleiro como sobra da cobertura. Ficamos uns 40 dias rodando pela Europa para ver alguns jogos, me encontrei com o Valdo e disse que queria ver um treino do Jesus, mas fiquei alguns dias apenas em Portugal, também fui à França, Espanha, Holanda, Inglaterra, mas não coincidiram as datas. Segui vendo e admirando pela TV. Mas gostaria de um dia poder sentar e conversar com ele. Assim como uma história que aconteceu com (Marcelo) Bielsa.

Foi no começo de 2016, conte detalhes sobre essa surpresa.
Eu era treinador do Grêmio, chegava cedo ao clube, então veio o Pedrão, segurança do CT, e disse que tinha um senhor na portaria querendo falar comigo. Disse que treinou a seleção argentina. Mandei Pedrão não deixar entrar. Em cinco minutos ele voltou e disse que estava insistindo e queria conhecer o CT, conversar comigo. Eu falei para o Pedrão que ele ia me fazer passar vergonha, então ele voltou e disse que era o Bielsa. Cheguei lá e era ele. Me contou que lhe disseram que havia um treinador muito promissor no Brasil e queria me conhecer. Ele estava em um passeio por Gramado e passou pelo CT porque pegaria um voo e tinha umas duas horas até embarcar. Ele estava pegando exemplos de CT para o seu clube na Argentina, o Newells Old Boys. Gostaria de mostrar e mostrei a ele.

E você, aproveitou para perguntar o que a ele?
Levei à minha sala, o sentei numa cadeira que, pus uma caneta na mão dele e disse que o preço para mostrar o CT era me dar uma aula de futebol. Tenho muito orgulho desses momentos registrados. Pude tirar dúvidas, aprender nesses 20 a 30 minutos que tive com ele. E uma coisa muito me marcou, ele disse: "Roger, como jogador tudo que quiser saber está dentro de ti, basta recorrer aos ensinamentos que todos os seus mestres te deram, algo que em nenhum livro irá encontrar". Ele me deixou clara a importância da tática individual, da posição, e as pequenas movimentações dos atacantes para gerar grandes espaços. Prestar atenção no movimento de corpo de um zagueiro, o meia se posicionar de uma forma que receba a bola virando de frente para o gol adversário, as movimentações do centroavante antes de receber a bola. E não fazer deslocamento reto, mas em direção contrária para criar espaços.

Sensacional experiência, de fato. E Sampaoli?
Não consegui uma aproximação (na Europa), mas também gostaria. Foi uma satisfação no jogo contra ele, quando fui cumprimenta-lo, ele me deu os parabéns pela nossa forma de jogar, porque foi uma partida muito aberta. Mesmo poupando alguns jogadores por causa da Copa do Brasil, conseguimos fazer um jogo equilibrado contra o Santos, que tem jogo de posse e intensidade ofensiva, quase um futebol total. Discípulo do Bielsa, e que tem características certas dos jogadores na frente. O Soteldo é um jogador que a bola dificilmente chega nele e para. Agora tem Marinho do outro lado, com muito drible. E isso me agrada, porque no Grêmio meu time também tinha essa forma de jogar em muitos momentos, com os laterais fechando e abrindo, com amplitude absurda, como Sánchez livre da circulação de bola, porque os laterais atuam como articuladores. Você tem no campo de ataque quase uma pirâmide, isso faz com que o adversário faça linha de cinco ou seis para se defender ou, a todo momento, o Santos faz pequenas diagonais para chegar perto do gol.

E mesmo com o Bahia levando reservas a campo, foi 1 a 0 para o Santos com gol no final…
E tivemos uma ótima chance minutos antes do pênalti que decidiu o jogo. Então, para mim, como profissional que cresci vendo esses caras lá fora, trabalhando e imaginando como seria aqui conosco, é muito gratificante, como enfrentar o Felipão, que formou minha vida, Luxemburgo que me ensinou pra caramba, o Tite, que foi muito importante. So me enriquece enfrentar esses profissionais e esses estrangeiros. Fiquei mito feliz pelas palavras do Sampaoli, isso para mim vale mais do que um gol.

Qual o técnico que mais admira?
Gosto muito, não somente por ser campeão a Uefa Champions League, do (Jürgen) Klopp pelo jogo plástico e incisivo. Do Guardiola, que também gosta muito da posse. Eu citaria esses dois e gosto de alguns aspectos dos treinadores de determinadas escolas. Se formos falar em jogo de transição, vamos para a escola alemã. Se pensar em posicionamento defensivo, escola italiana, vai nos dar referências, um jogo parecido com o nosso, mais técnico. Tem a escola espanhola e a Inglaterra, com a influência de vários treinadores.

E o time que gosta de ver jogar?
Gosto muito do modelo de jogo do Ajax, no 4-3-3. Gosto do Klopp pelas características do 4-3-3, que defende com sete jogadores e os três da frente fecham as costas do zagueiro, como Sampaoli faz. Não são os times, mas os modelos. Quando encontro um time que me agrada, acabo prestando mais atenção. O Liverpool me chama a atenção desde o ano passado. Estava no Palmeiras e na inter-temporada, na América Central, durante a Copa do Mundo da Rússia; fizemos alguns amistosos reproduzindo um pouco daquele 4-3-3.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Mais Blog do Mauro Cezar