Topo
Blog do Mauro Cezar

Blog do Mauro Cezar

Categorias

Histórico

Após paparico, PSG reage à ausência de Neymar e fracasso ruma ao Catar

Mauro Cezar Pereira

08/07/2019 18h08

Boas-vindas a Neymar na Torre Eiffel, o Emir e o jogador com o presidente do PSG, xeque Nasser Al-Khelaifi

O Paris Saint-Germain emitiu nota informando que nesta segunda-feira, 8 de julho, Neymar da Silva Santos Júnior foi convocado para voltar às atividades no clube e não deu as caras, sem ter sido autorizado pela direção. O campeão francês vai além, deplora o comportamento do brasileiro e informa que tomará as medidas apropriadas.

Não parece lógico debater se o PSG tem razão, pois obviamente a resposta é sim. Se Neymar não jogou a Copa América por lesão, ficou de férias e, quando elas terminam, a pessoa volta ao trabalho. Funciona assim, certo? Mas é de conhecimento público que o atleta parece disposto a respirar velhos-novos área na Catalunha, com flerte que dura semanas.

Neymar foi contratado pelo PSG com dinheiro do Catar, proprietário do clube. Sua presença no elenco do time parisiense faz parte de uma iniciativa internacional que envolve a Copa do Mundo, que lá acontecerá em 2022, e a imagem do país, ávido por reconhecimento em todos os cantos do planeta.

O governo de Doha (a capital) atua assim, com eventos e ações que tornem a pequena nação mais famosa. No jogo geopolítico, isso é fundamental para os catares, que temem o semianonimato, o que o tornaria mais vulnerável a invasões sem grande repercussão. Pensam assim desde que o Iraque ocupou outro país próximo, o Kuwait, em 1990.

Costumeiramente o Catar têm postura independente em relação aos vizinhos. Por essas e outras, Líbia, Iêmen, Egito, Arábia Saudita, Bahrein e os Emirados Árabes Unidos cortaram relações diplomáticas há dois anos e um mês. As seis nações acusam Doha de criar instabilidade na região do Golfo Pérsico ao apoiar grupos terroristas, algo obviamente negado pelos catares.

Entre os países que romperam relações estão os dois fronteiriços, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, o que impede que aviões sobrevoem seus territórios e só permite a chegada ao país da Copa 2022 pelo ar ou pelo mar. Não é uma situação confortável e um noticiário positivo vindo do PSG sempre refrescaria a vida por lá. E o inverso é real.

O fracasso da Operação Neymar vai além do campo de futebol. Representa imensa frustração para o país-sede do próximo Mundial e seu comandante, o Emir Tamim bin Hamad bin Khalifa Al Thani, que obviamente não deve estar nada satisfeito com a situação. Qual será sua postura em meio a tal crise?

A chegada do brasileiro ao Paris Saint-Germain, tirando-o do poderoso Barcelona por €222 milhões, colocou quem o país árabe em evidência. Se o craque fizer caminho inverso sem alcançar os resultados esportivos planejados, o fiasco estará tatuado na aventura do Catar junto ao PSG.

Ao mesmo tempo, os gestores do clube parisiense não se esforçaram em estabelecer uma postura mais profissional desde que o atleta desembarcou na França. Paparicado até pela Torre Eiffel, Neymar parecia o dono de Paris, maior do que a camisa que veste (ou vestia). Não se deram ao respeito que agora exigem. Será tarde demais?

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

Contato: maurocezarblog@uol.com.br

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Mais Blog do Mauro Cezar