Topo
Blog do Mauro Cezar

Blog do Mauro Cezar

Categorias

Histórico

Entenda o conflito entre 2 países que impede jogador de disputar uma final

Mauro Cezar Pereira

2029-05-20T19:01:02

29/05/2019 01h02

Mkhitaryan: jogador do Arsenal não participará da final da Liga Europa pelo Arsenal por ser armênio

por Aurélio Araújo e Carlos Massari, do podcast Copa Além da Copa
no Twitter

No início desta semana, após dias de indefinição, o Arsenal anunciou que o meia armênio Henrikh Mkhitaryan não disputará a final da Liga Europa contra o Chelsea. A desistência de levar o jogador se deu porque a partida será em Baku, capital do Azerbaijão, país que há anos mantém uma acirrada disputa territorial com a Armênia.

O anúncio foi um vexame para a Uefa, que mantém azeris e armênios separados em todos os seus sorteios. Afinal, transmitiu-se a ideia de que ela falhou em garantir segurança a um único atleta, num dos jogos mais importantes de sua carreira.

Mas, antes mesmo do anúncio do Arsenal, a final em Baku já causava polêmica. O Azerbaijão, situado no limite entre os continentes europeu e asiático, não tem estrutura para receber turistas, e, por isso, apenas 6 mil dos 68 mil ingressos para a final irão para os torcedores de Arsenal e Chelsea.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev; à direita sendo recebido na Rússia, Vladimir Putin, em Sochi

Além disso, o regime do presidente Ilham Aliyev é conhecido por desrespeitar direitos humanos, prendendo e intimidando ativistas e oposicionistas. Segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras, o país tem a imprensa menos livre de toda a Europa.

O esporte como propaganda

O governo azeri tem um trunfo: muito dinheiro, proveniente do petróleo e do gás natural abundantes no país. Com isso, Aliyev investe pesado na propaganda esportiva: nos últimos anos, Baku entrou no calendário da Fórmula 1 e sediou os Jogos Europeus, além de o país ter patrocinado o Atlético de Madrid com grande aporte financeiro.

O próprio Estádio Olímpico de Baku, palco da final da Liga Europa, é um projeto luxuoso inaugurado em 2015 e que faz parte dessa propaganda de Aliyev. É lá que a UEFA pretende ainda sediar alguns jogos da Euro 2020.

A convergência de esporte e política é natural no país, considerando que Aliyev acumula os cargos de presidente do comitê olímpico nacional, desde 1997, e do país, desde 2003, tendo substituído seu pai, Heydar Aliyev, nessa última função.

Petróleo e gás natural

Independente desde o fim da União Soviética, o Azerbaijão vê seu PIB crescer ano após ano com o impulso dos recursos naturais. Mas, antes mesmo da descoberta desses recursos, seu atual território já era disputado, dada a localização estratégica entre Europa e Oriente Médio.

Na Segunda Guerra Mundial, seu petróleo abasteceu o Exército Vermelho e foi crucial para a vitória dos Aliados. Hitler sabia que precisava tomar Baku para ter a vitória, mas, como a história nos conta, sua campanha pela União Soviética se encerrou muito antes disso.

Após a queda da URSS, com seu pai no comando do país, Ilham Aliyev chegou a administrar a SOCAR, estatal de petróleo e gás natural. A ideia do governo era atrair investimentos estrangeiros com acordos de exploração conjunta dos recursos, e o sucesso do plano impulsionou Aliyev para além da sombra do pai.

Guerra com Armênia

No mapa, a região que é causa do conflito entre Azerbaijão e Armênia: Nagorno-Qarabag (no destaque)

No entanto, a decadência da URSS também reacendeu uma antiga questão: a região de Nagorno-Qarabag, localizada em território azeri mas de maioria étnica armênia, pertence a quem? Entre as décadas de 80 e 90, Azerbaijão e Armênia guerrearam por seis anos até que os armênios vencessem a disputa. A região se considera independente, embora não seja reconhecida por nenhuma nação do planeta.

A guerra acabou em 1994, mas desde então o governo azeri tem tentado apagar o legado armênio em suas terras. Diversos monumentos históricos protegidos pela Unesco foram destruídos, algo que a Armênia já comparou a ações do Estado Islâmico na Síria.

Aliás, a religião é outro componente das tensões: no Azerbaijão, predominam os muçulmanos, enquanto os armênios são, na maioria, cristãos. Para piorar, Mkhitaryan já visitou a região de Nagorno-Qarabag, ação que o coloca numa espécie de "lista negra" no Azerbaijão e faz com que ele perca o direito de entrar no país.

Ainda assim, a UEFA e o governo azeri haviam se comprometido a liberar o visto do jogador e mantê-lo em segurança para a final. A desistência do Arsenal em levar Mkhitaryan, portanto, foi vista no Azerbaijão como uma jogada política para atacar Aliyev. Seja como for, o fato é que ela se tornou mais um argumento para que a comunidade internacional veja com desconfiança o interesse do país nos esportes.

 

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

Contato: maurocezarblog@uol.com.br

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Mais Blog do Mauro Cezar