PUBLICIDADE
Topo

Licenças de presidente e vice do Flamengo no carnaval são por lazer

Mauro Cezar Pereira

01/03/2019 13h10

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, e o vice geral, Rodrigo Dunshee, tiraram licença no período do carnaval, respectivamente até os dias 16 e 6 de março. Quando a informação circulou, primeiramente por intermédio do colunista Lauro Jardim, de O Globo, a pergunta geral era sobre os motivos que levaram os ocupantes dos dois principais cargos no clube a tal afastamento, afinal, razões particulares podem ser doença, um passeio etc. O blog apurou que são viagens de lazer – confira a palavra do vice ao final do texto.

Landim e Dunshee se desligam no mais delicado momento de toda a história do Flamengo. Há 21 dias morreram no Centro de Treinamentos dez meninos das divisões de base do futebol rubro-negro. O imbróglio envolvendo a maioria das indenizações aos familiares segue sem solução. Já a equipe profissional estreia na Copa Libertadores, tratada como principal objetivo esportivo de 2019, na terça-feira de folia, a quase 4 mil metros de altura, na cidade boliviana de Oruro. Além disso, o CT está interditado por falta de documentação e os atletas têm rotina prejudicada.

Claro que o presidente e seu vice não entrarão em campo com os jogadores, mas nada impediria que voltassem ao terreno do diálogo com as famílias dos mortos a qualquer momento, mesmo durante o carnaval se preciso fosse. Licenciados, provavelmente isso não acontecerá, pelo menos com a participação de ambos, que não estavam na reunião na qual familiares das vítimas do Ninho do Urubu encerram negociações com o clube, há oito dias. E Landim só tem retorno previsto ao Flamengo para a segunda quinzena do mês.

No Twitter, grupo de um dos membros do comitê do futebol se manifestou contra a nomeação

Como se não bastasse, a nomeação de Cacau Cotta como diretor de relações externas gerou descontentamento entre apoiadores de Landim na campanha que o elegeu. Ele foi dirigente na gestão de Patrícia Amorim e candidato derrotado na eleição presidencial de 2015. O grupo Ideologia Rubro-Negra, que se manifestou, tem como integrante Fábio Palmer, um dos cinco componentes do comitê gestor do futebol – dois outros, Dekko Roisman e Diogo Lemos, também integram núcleos políticos do Flamengo.

Flamengo fecha acordo de indenização com primeira das famílias das vítimas

Com a folga para "viagem de carnaval", caberá a outros personagens, ou ao vice a partir da quarta-feira de cinzas, retomar conversas com as famílias das vítimas do incêndio. E participar da busca por uma solução para o problema do CT, fechado pela prefeitura. Todos têm direito de tirar folga, de viajar, mas ninguém é obrigado a se candidatar a cargo algum em clube de futebol. Quando a pessoa o faz e se elege, assume um compromisso com milhões de torcedores. E eles esperam que a agremiação seja prioridade. A licença de Landim e Dunshee em tal momento, por lazer, é impossível de compreender.

Após a publicação deste post, em contato com o blog o vice-presidente Rodrigo Dunshee disse que estará fora apenas de sábado até quarta-feira. "Só pedi licença para que formalmente o Antonio Alcides (preside o Conselho Deliberativo) pudesse assumir, no carnaval. Mas não perderei um dia útil de negociações e processos judiciais. Estava na reunião com as famílias e fiquei lá por duas horas e meia. Só não estou participando diretamente das negociações, mas o Flamengo tem uma equipe excepcional cuidando disso".

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN e da Rádio Bandeirantes de São Paulo.

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.