Topo
Blog do Mauro Cezar

Blog do Mauro Cezar

Categorias

Histórico

Abel termina jogo com "time de índio", mas hoje Fla deve voltar ao "normal"

Mauro Cezar Pereira

03/02/2019 04h00

Uma declaração, curiosa, e estarrecedora ao mesmo tempo, foi dada por Abel Braga após a vitória por 3 a 1 sobre o Boavista, na última terça-feira. Perguntado sobre a possibilidade de jogar com apenas um volante (Cuellar), o treinador disse não gostar de "time de índio". Era uma referência às equipes que atacam sem muitas preocupações defensivas.

Escalações do Flamengo quando assumiu a liderança da Série A em 2018: apenas um volante, Cuellar ou Jonas

Muitos times ganharam títulos importantes recentemente atuando com um volante apenas. São os casos do campeão inglês, Manchester City (Fernandinho), e do tricampeão europeu, Real Madrid (Casemiro). O próprio Flamengo tinha apenas o colombiano na função em seu melhor momento do campeonato brasileiro passado, quando virou líder, inclusive (veja acima).

No empate com o Vasco, que deixou os rubro-negros em segundo lugar, era Cuellar o único volante. Na rodada seguinte, o time roubou a ponta da tabela do Atlético, derrotando o Galo em Belo Horizonte. Jonas era esse homem, como no triunfo sobre o Bahia, e continuou na vitória seguinte, 1 a 0 no Corinthians. Foi o melhor momento dos rubro-negros em 2018.

Real Madrid, Barcelona e Manchester City em jogos recentes: não mais do que um volante "típico"

Durante a semana, Abel treinou o time com um volante, mas deve escalar a dupla Cuellar-Willian Arão neste domingo contra a Cabofriense, no Maracanã. Curiosamente o time terminou, bem, a partida de quarta-feira com um cabeça-de-área apenas, após as saídas de Jean Lucas, Dourado e Vitinho para as entrada de Éverton Ribeiro, Uribe e Bruno Henrique.

Claro que o jogo estava ganho, a classificação na Taça Guanabara assegurada, ou seja, um cenário favorável. Mas isso não significa que uma equipe não possa ser competitiva atuando com apenas um volante, um cão-de-guarda à frente da defesa. Os exemplos que derrubam essa (velha) tese são inúmeros. E o próprio Flamengo atuava assim há meses.

Formação do Flamengo ao final do jogo de terça-feira

 

Obviamente é possível jogar bem com um, dois ou até três volantes, e a maneira como a equipe atuará vai depender de características dos atletas e da proposta. Mas vincular a presença de um volante a algo que poderia ser definido como irresponsabilidade tática, com ataque maciço sem preocupações defensivas, não faz sentido algum em 2019.

follow us on Twitter

follow me on youtube

follow me on facebook

follow us on instagram

follow me on google plus

Sobre o autor

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

Contato: maurocezarblog@uol.com.br

Sobre o blog

Trazer comentários sobre futebol e informações, eventualmente em primeira mão, são os objetivos do blog. O jornalista pode "estar" comentarista, mas jamais deixará de ser repórter.

Mais Blog do Mauro Cezar